domingo, 17 de outubro de 2010

Ode ao meu ódio (ou ao ciúme?)



"Às vezes te odeio por quase um segundo..."

O problema é que o tempo do ódio passa devagar. Espichado, longo. A duração de uma dor. Do ciúme que a alimenta.
Minha avó já dizia para não brincar com vespeiro. Lembrei que a desobediência à sensatez  me acompanha desde as fraldas.
Sim, eu poderia ter escolhido só o lado prata da lua. A brisa do fim de tarde. Saber da existência do passado somente em folhas distante do seu diário.
Acreditando ser inatingivel pelo "óbvio", quase imponente e certa de que minhas sessões de psicoterapia me valem mais do que qualquer lindas unhas vermelhas envoltas pelos seus dedos, eu brinquei  com meu egoísmo. Advinha? Me dei muitíssimo mal.
Ganhei segundos, vários deles, de ódio por te querer.
Ah, como te odeio por teres violado a mão que tanto amo e venero com um anel que não era meu.
Por teres amado antes de me conhecer.
Por ter sofrido com a distância que não era a minha.
Por teres suposto que a tua perfeição era com outro alguém.
Te odeio, te odeio. E faça-nos um favor, acredite na intensidade desse meu afeto, ainda que ele seja passageiro.
Nessas horas, o inevitável. O sal que rolou no rosto impregnou um amargo na boca.
Injusto, muito injusto.
Meu pobre narcisismo só queria ter te encontrado dentro de uma caixa lacrada, ansiando por mim.
Sem passado. Sem tantos anéis. Sem referência de outros amores. Sem fotos, principalmente.
Ser o primeiro "inusitado" caso de amor. Ser o único. O que te ensinou que longe pode ser perto e acompanhado...
Não, não tente explicar nada. Eu sei de tudo. Das argumentações, das minhas particularidades e, sobretudo, especialidades.
Aquele namorado da foto não era o meu, ok!
...
Agora, só convença o meu ciúme disso.

M

14 comentários:

Franck disse...

Há, o ciúmes, lembrou daquela música do Caetano Veloso, 'lançou sua flecha preta', algo assim...
Sou suspeito para falar sobre, mas amanhã será outro dia!
Bjs*

GIL disse...

Eu gosto de texto assim....inusitado, diferente,......bjks...Gil

DÉYA... disse...

gostei daqui.. estou seguindo.. bjo

Julio Cesar disse...

Oi M.eu amor...
Sim, há tempos uma 'simples' letra passou a ser muito mais do que um alfabeto inteiro.Do alfabeto inteiro temos feito uso para escrever e descrever nossa história, antes singular, ainda que pseudo unida a outrem.

[Cristal é lindo, reluzente...transparente...copos que 'cantam'...mas que se estilhaçam-se ao menor choque. Porquê tal metafora?porque o que parece belo e reluzente quase sempre traz intrinsico a fragilidade e instabilidade. Nosso brilho não é para olhos de ambições vãs.]

Hoje, nosso alfabeto registra nossa totalidade. Nossa totalidade é composta daquilo que também não gostamos. A história que nos antecede teve um propósito o qual firmo-me que foi para estarmos prontos a viver o que vivemos.

De tua singularidade tudo me importa. Seja por quantos homens tivestes em tua vida és comigo que estas a viver e escrever teu melhor, teu amor indubitável.

Eu?...fui talhado (quase tolhido). Sinto-me no meu melhor. Neste percurso resmunguei, esbravejei, chorei e quase me suicidei...e na centelha de amor que sempre esteve acesa em mim eu me levantei. Conheço o gueto do descuido, as ruas escuras da ilusão. Por isso sei por qual estrada devo continuar seguindo.
(continua)

Julio Cesar disse...

...
assim como é impossível abraçar uma sombra, interagir com a visão de um psicotico (que só a ele pertence), não fui violado.
Tens de mim o que ninguem teve.

"Ah, como te odeio por teres violado a mão que tanto amo e venero com um anel que não era meu.
Por teres amado antes de me conhecer.
Por ter sofrido com a distância que não era a minha."


Sim...amei antes de te conhecer. No entanto esse amor sempre foi seu. Assim como a um missel que é guiado por infravermelho é vai atingir apenas o alvo que emana calor ainda que este seja disparado contra uma montanha de gelo.

O que me constitui sempre foi seu, assim como a Lua sempre foi o satelite da terra mesmo antes do homem pisar lá.

Como não sofri por sua distância?foram anos de sofrimento até 'chegar' a você.

"Por teres suposto que a tua perfeição era com outro alguém."

Sim,...supus que o 'outro' era você...mas, com o Amor apenas a verdade se encaixa. Assim, 'forças' desfizeram o engano e me 'apresentaram' a você.

Há uma escritura bíblica (não lembro se em Romanos ou Corinthios, cap 13) que um 'hino' ao amor, em que Paulo diz entre outras coisas que hoje enxergamos como crinças. Nâo recriminamos uma criança quando ela por imaturidade não distingue certas realidades e em tratando-se de AMOR somos crianças a engatinhar.

["Às vezes te odeio por quase um segundo..."]

...então, como diz Herbert...depois me ame mais. Porque eu me transformo no que te agrada, no que te faz crer. Sempre me pergunto: quais são as cores e as coisas e as flores prá te "prender"?(porque já me tens preso em ti, ou não sente meu coração batendo em suas mãos?)

"Meu pobre narcisismo só queria ter te encontrado dentro de uma caixa lacrada, ansiando por mim.
Sem passado. Sem tantos anéis. Sem referência de outros amores."

Voce me encontrou dentro de uma 'bola' lacrada. Anseio por ti porque em minha utopia quero estar ao teu lado todos os segundos possiveis.

"Sem fotos, principalmente.
Ser o primeiro "inusitado" caso de amor. Ser o único. O que te ensinou que longe pode ser perto e acompanhado..."

Voce é meu primeiro e inusitado caso de amor. O único. Você..e só você me ensinou que longe pode ser perto e acompanhado... 'o que é construído sobre a areia desaba. desmancha.

Tudo que vivi, fotos que tirei, são registros irrefutáveis de que o que vivo hoje é verdadeiro e não ilusório ou projetado.

...o teu cíume me convence mais e mais que és a mulher que esperei, que procurei e que sempre amei e que só 'agora' encontrei.
te amo.
JLM

Confissões de uma borboleta disse...

Oi Mônica...Senti sua falta.
Seu texto ciumento é muio bom.
Onde extravasar os nosso ódios senão aqui? Mas pelo que vejo no depoimento acima...é só ciumes e não necessariamente tristeza.rs
Beijos

Carolina disse...

Texto forte com infinitas possibilidades de percepções.

Mas uma coisa sabemos,depois de alguns percalços de relações,amor e ódio não são opostos,caminham lado a lado a distância curta.E ciúme não é sentimento é doença pura,difícel de controlar e que torna muitos adictos. E no meio de todo este vendaval de emoções tem a teimosia que nos faz vestir armaduras enganosas em lutas sem glórias.

bjo grande

Amanda Lourinho Braga disse...

Nossa que forte esse teu texto hein, eu li e reli mais de duas vezes.
Quanto ao Privé do Atalaia, Mônica, a gente se ilude, é só luxo, a comida é parece palha, kkkkkkk.
Olha falando em comida, queremos marcar o tacacá esse fds, dá pra vc, se der responde tá bom, beijos.

Mazane disse...

"O ciúme lançou sua flecha preta" também lembrei dessa música!!!!!

LUFE disse...

Eu entrei depois do JLM e vou dizer o que?
Vou saindo de fininho, deixando os dois quietinhos por aqui...rs

Seu texto é otimo, muito bom.
O dele tambem, a altura.

bjo

O Antagonista disse...

O ciúme também ajuda o mundo a se movimentar. Pense quanto já não se fez (de bom e de ruim) por causa do ciúme?

Bjs!

Anne disse...

Ai amiga... Que texto lindo, que só vc escreve! Doce e amargo, sabe? Incrível! Sabe, eu tbm sou muito ciumenta, mas Edu é muito mais, rs. Ele fica com ciumes de fatos ou qq coisa que lembrem o meu passado, mas olha... Depois que a gente ama uma pessoa, tudo o que passou ficou lá atrás, é completamente esquecido e sem nenhuma importância.
Espero que as coisas tenham se ajeitado por aí... Tô torcendo, viu?
Ele foi intenso no texto que ele deixou nos coments, deu pra perceber o quanto gosta de vc! Ahh o amor...
Poxa, nao da pra esse fds o tacacá? Snif, Snif...
Bom, no outro não dá pra eu ir pq eu to querendo ir ver o Amarelo, rsrs
Então a gente vê depois comofas, tá? Mas faz um esforcinho, não vais estar em Belém domingo?
Beijos da Amarela!

Anne disse...

Ah, se puderes, me manda teu número de telefone em coment, que eu não aceito o coment, tá?
Bjos

Tempo Livre disse...

Você escreve muito bem!

Tô seguindo!

=)