sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Eu também fico eufórica quando me faço entender

Era desse tipo de amor que eu falava.
Esse mesmo.
Que liga em meio às correrias de dois mundos
Que é capaz de lhe faz rir de si mesma. De exercitar sua tolerância com tudo o que você ainda não entende.
Era disso que eu falava.Ou sentia. Ou já desejava. (Tá, sempre desejei)
Desse modo de querer que não subtrai, não julga, nem espera por igualdade, mas anseia por complementar-se
Que não invade armários ou revira gavetas porque ganha o direito de saber seus conteúdos.
Que não esmorece pelo que não tem. Se deleita com cada nova mania pra ser vivida à dois. Que faça lembrar os dois.
É. Desse tipo mesmo, que cria signos de cumplicidade
Com fala marota cheia de sacanagem e suspiros que reverbera na alma.  
Que deixa sonhos, amarelados de tanto esperar, visitarem a superfície do poder ser.
Sim, sim, sim
Era exatamente disso que eu falava...

"Eu também fico eufórica quando me faço entender"

9 comentários:

Franck disse...

Fico feliz com sua felcidade! Tão bom o amor e seus efeitos...
Eu tbém quero alguémque caiba nos meus sonhos ou eu nos deles!
Muito AMOR!

Lily disse...

Adorei a frase "signos de cumplicidade".

Ser cúmplice. Atuar junto. Dar sua contribuição. Ser parceiro.

Coisas lá do curso de Direito, mas que encaixam bem no cotidiano...

Beijos!

Gugu Keller disse...

Eu também.
Mas muito mais quando, o que é muito mais difícil, faço-me entender por mim mesmo.
GK

Carlos Augusto Matos disse...

Sorria que sua felicidade me faz feliz...

Bjuxxx no coração...

Julio Cesar disse...

Oi M.,
...certo a Lily..cumplicidade. E já ouviu-me dizer isso. Quando alguem que gostamos é rodeado de amigos que sentem a felicidade junto a dela reforça ainda mais a beleza desse amor. Bom amar e um plus quando esse amor é também uma pessoa querida.
Bom ter a capacidade de fazer rir sem apelar para o deboche insano.
Bom que palavras como as suas não sejam reproduções textuais de literatos renomados e nem frases ou jargões feitos por corações de alguem que um dia sentiu.
Bom que as palavras expressem o que nós sentimos e não que nos espelhemos pelo que alguem um dia sentiu.
M., como é bom criar...e em parceria de compromisso.
Lindo tudo que escreve...impossivel recortar(palmas para a Lily que conseguiu!).
Impossível ser sucinto.
beijos e que sua semana seja linda. Agora sei de onde vem o dourado do sol...

Casmurro disse...

Amiga, de volta.

Um beijão!

Confissões de uma borboleta disse...

Que tipo deamor gostoso...
Intimista sem dúvida...
É meio o que quero começar a viver.
Já vivi antes...saudosismos.
Gostei.
Beijos

João disse...

Cada um suporta como pode a vida, se me faço entender.

Franck disse...

Por onde andas? saudades dos seus textos...dos seus comentários...
Bj*