quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Quem chega sem avisar, veio pra ficar?

Quando dei por mim, estava esperando grandes (grandes mesmo) comentários às linhas que saiam dos meus equivocados relacionamentos. Ora indo, ora vindo. Quase nunca no lugar certo. Eram convulsões em forma de textos. Tudo ardia e nada se explicava. Urgente e necessário porque longe daqui flerto com um pseudo distanciamento de tudo que possa me provocar umcerto descontrole. Eu  finjo. Há quem acredite.

E deu-se um tempo em que me visitar já era lê-lo, rir e me surpreender com os pequenos signos e sua capacidade de alentar a alma, ainda que tudo em mim carecesse do concreto, do ao alcance do tato, que são todos vizinhos da visão. Mas, como diria o velho Buk, o amor é um cão do diabos. Sorrateiro, disfarçado, e por vezes, enigmático. Não vem com manual de instruções. Nem garatias. Nem rede de proteção. "Quem é podre que se quebre?"
Ainda hoje não sei bem quando você transcendeu de "caro amigo" para "melhor namorado". Quando se tornou inevitável lhe escutar por horas. Quando foi impossivel dormir sem você.  

Então, depois de muitas luas, chuva e trabalho. Madurgadas, amanhecer e cafés. Cinco horas de voo e frio de rachar os ossos de qualquer paraense, coloquei todos os meus sentidos a serviço do que eu já sentia, sabia: É muito bom chegar em casa!

Agora, olho pela janela e vejo um predio envidraçado, verde. Esperança. Você está nele, em algum lugar, mas,  não menos do que está em mim. E que permaneça o tempo que lhe for permitido e desejado, pois só me resta esperar que o fim, e o caminho que leva até ele, seja feliz.

"Vou para ti...vou para teu encontro...como fui no dia que chamou-me ao telefone"  (J.C)


MLJ

6 comentários:

Anne disse...

Oi amiga... Tô feliz demais por vc, viu? Vc merece esse lindo amor, e todos os meios e finais felizes possíveis, com ele apenas. Sampa me espera, espera eu e minhas infinitas mudanças de resoluções, ir até lá. Quero aquele frio, quero aquela loucura, quero aquele homem.
Mas ainda são necessários alguns ajustes. Cruciais. De lá, daqui.
Edu acordou, já está na enfermaria. Ainda com muitas pendências de saúde a resolver. Queria estar ao lado dele para cuidá-lo. Eu espero fazer isso em breve, nem que seja por instantes. Na verdade eu queria pra vida toda...
Amiga, feliz mesmo por vc! Beijos!

Lily disse...

Gostei muito do desfecho, ou começo. Eu vinha lendo e percebendo, sentia amor no ar. Sentia uma vontade doída e doida. Fico feliz, se for realidade ou ficção, não importa. É sobre amor e eu sou uma romântica sem freios.

Beijos!

Confissões de uma borboleta disse...

Oi Mônica...
como a vida é interessante.
Nos coloca a frente de situações estranhas e especiais.
Voltar para casa é uma maravilha
eu bem sei...curta.
Seja feliz.
Beijos

Giardia disse...

Tão bonito... adorei seu blog!

Franck disse...

Eu sei como vc se sente...os percalços do ir e voltar...do amor...da saudade...da esperança...
Estava com saudades! Bjs*

Julio Cesar disse...

Oi M., ...me permite, Amor?...

****

.....> LiLYyyy... ficção aqui só os 'vodoo´s' do passado.

Amor e Realidade puuuura!

Aqui, também 'somos sem freios'!rs...

*****


M., ...somente hoje cheguei ao post...e bem sabes porque. Lindo saber teu prazer no voltar para casa...que igualmente o sinto e quero...e sinto profundamente a falta hoje... alias, é como sentir-se sem casa!
Algumas pessoas amam...
Outras pessoas são amadas...
algumas são desejadas, outras apenas desejam.
Algumas pessoas prestam à atenção,
outras, mal prestam
...mas apenas chamam a atenção.

Você, amor, conduziu-me a espaços antes inabitaveis por minha alma. O que antes eram apenas ET´s hoje são habitantes do planeta amor.
Se conseguir descrever e ordenar o que sinto, terei escrito um best-seller...
Sinto-me grato a tudo que esteja acima de 'eu'(rs) que tenha gerado a força que uniu nossa existencia, que tenha 'lhe enviado até aqui'.

Um relógio é um instrumento com dois ponteiros distintos que possuem o proposito de informar o tempo e que para isso faz-se uso de engrenagens tão dispares tanto quanto importante para o funcionamento. Assim, meu Amor, sinto-me na completude contigo, não que seja um incompleto, pois tal como uma engrenagem, que é uma engrenagem ainda que só, junta a outra forma um mecanismo...e que assim, meu coração junto do seu, minha alma junto da sua perfazem o mecanismo do amor que nossas almas sentem e que os corpos exalam.
Eu te amo... e agora afirmo com a plenitude que me já era cabida e sabida.
JLM